quinta-feira, 18 de agosto de 2016

CARREIRA POLÍTICA DE JOSÉ CARLOS FARINA


O meu início na política de Rolândia se deu com uma coluna semanal que mantinha no extinto jornal Tribuna de Rolândia em 1978. Nunca confessei isto mas os meus padrinhos políticos foram Arno Giersen, José Tadeu Mota e depois o Perazolo. A minha "cabo eleitoral" nº 1 sempre foi a minha mãe, Dona Sebastiana. Depois o meu irmão Paulo Ademir e o sobrinho Paulo Augusto. A família toda gosta de política mas estes três superam. Meu sobrinho Paulo Augusto Farina desde pequeninho demonstrava aptidão para a política e já me ajudava pregando as minhas fotos nos postes e distribuindo santinhos. Eu ensinei a ele o pouco que sei, sobre postação de voz, sobre como dirigir o olhar ao público e o esquema do discurso. Ele ouvia com atenção e acabou superando o tio.  Já como vereador eleito minha bandeira passou a ser a fundação de Associação de Moradores. Na época ajudei a fundar várias Associações, dentre elas Cafezal, Ceboleiro, Deizinho, Pinheirão, Caramurú, Rosangelo, Bengali, Jardim das Flores, Parigot e Associação Ecológica. Eu fazia as reuniões, redigia as atas, estatutos e registrava as entidades no Cartório de Registro de Documentos e Receita Federal. Muitas vezes por falta de um local com espaço eu levava uma mesa pequena e presidia o início dos trabalhos no meio da rua, debaixo de um poste. Lembro-me que eu tinha que implorar para o povo participar. Era muito difícil para apontar o cargo de presidente. Poucos queriam assumir compromisso com o povo. Mas, devagarzinho tudo deu certo. Lembro-me de alguns lideres comunitários da época: Mauro Caixeta, Laercio Lonardoni, Dirce Mologni, Nelson do Depósito N. Horizonte, Fernando do Depósito, Osvaldo do cafezal, Broiet e MIlton Luiz dos Santos. ( JOSÉ CARLOS FARINA )

Nenhum comentário:

Postar um comentário