segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

SENTENÇA CRIMINAL MANUSCRITA DE 1957 ( DR.AURÉLIO FEIJÓ EM ROLÂNDIA - PR. )

CURIOSIDADE:

ALÉM DA SENTENÇA SER MANUSCRITA ( ESCRITA À MÃO), VEMOS QUE AS PETIÇÕES CONTINHAM  SELOS PARA PAGAMENTO DE CUSTAS E IMPOSTOS DEVIDOS AO ESTADO. OS SELOS  ERAM VENDIDOS NA COLETORIA ESTADUAL. 

A AÇÃO CRIMINAL FOI PROPOSTA PELO MINISTÉRIO PÚBLICO EM FACE DAS LESÕES CORPORAIS VERIFICADAS EM UM ACIDENTE DE TRÂNSITO QUE QUE SE ATRIBUÍA A CULPA NO MOTORISTA DE UM CAMINHÃO QUE  ESTACIONOU NO MEIA DO PISTA NO KM. 3 DA ESTRADA QUE LIGA ROLÂNDIA A CAMBÉ. UM OUTRO VEÍCULO  PASSOU LOGO APÓS E NÃO CONSEGUIA PARAR SEU VEÍCULO, BATENDO DE SOFRENDO FERIMENTOS. O JUIZ ABSOLVEU O RÉU ALEGANDO QUE O PRIMEIRO PAROU POR  MOTIVO DE "FORÇA MAIOR", JÁ O SEGUNDO VINHA COM EXCESSO DE VELOCIDADE.

ATUARAM NESTE PROCESSO ALÉM DO DR. DAVID  SCHNAID, OS ADVOGADOS, DR. FLÁVIO BOTELHO E DR. WALDEMAR MORETTI. O  PROMOTOR ERA O DR. DIDIO.

CÓPIA By JOSÉ CARLOS FARINA

AGRADECIMENTO: DR. ALBERTO JOSÉ LUDOVICO

* CLIQUE NA FOTO PARA AUMENTÁ-LA.*



























































1º CASAMENTO REALIZADO EM ROLÂNDIA - PR.

GEORGE ANDRE CÂNDIDO

Você sabe qual foi o primeiro casamento civil realizado em Rolândia?
Foi dos nubentes;
Sr. Hercílio Wanderley de Alencar
Sra. Joana do Espirito Santo
No dia 16/04/1938.
Imagem abaixo é do arquivo público.

CLIQUE NA FOTO PARA AUMENTÁ-LA


terça-feira, 29 de novembro de 2016

PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE ROLÂNDIA CORRE PERIGO

DANIEL STEIDLE

RECUPERAR O PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE ROLÂNDIA, ATRAVÉS DO CENÁRIO MOTIVANTE DA "RAINHA DO CAFÉ"...
Ora, mas quase não tem mais pés de café em Rolândia! Não tem problema! Continua existindo o legado do café! O café foi o grande elo de ligação entre as pessoas, um tempo de construção e de muitos sucessos. Podemos agora, pela Rota do Café, escrever um novo capítulo da "RAINHA DO CAFÉ". (a imagem é de dentro da reconstrução bastante danificada do "Hotel Rolândia" com vista a antiga, e também muito danificada, estação ferroviária... ainda dá para mudar esta imagem... basta ter um bom motivo... de continuarmos a escrever a nossa história do OURO VERDE).

sábado, 26 de novembro de 2016

CASAS DE MADEIRAS HISTÓRICAS DE ROLÂNDIA - PR. ( ARQUITETURA )

ONDE FICA ESTE CASARÃO HISTÓRICO?
Graças a uma rica floresta foram feitas muitas casas de peroba rosa. Hoje sobraram poucas testemunhas. O famoso Hotel Rolândia, por exemplo, se encontra numa situação bem complicada... Em vez de uma cuidadosa transferência foi feita uma demolição, muita madeira sumiu, mudanças políticas deixaram a obra de uma reconstrução parada, assim como agora questões financeiras e jurídicas emperram uma conclusão... continuam nesta desordem o roubo da tão cobiçada peroba para móveis de demolição. A manutenção das poucas casas está unicamente nas mãos de particulares. São patrimônios culturais que merecem ser vistos, pois fazem parte da história de cada um. Ah, a imagem é da Bimini... Mas tem ainda outras Fazendas e localidades em Rolândia com notáveis testemunhas, algumas abandonadas...








QUEM FOI O HERÓI ROLAND ??

DANIEL STEIDLE
QUEM É ESTA FIGURA?
A pergunta foi feita por um repórter alemão a várias pessoas na rua. A maioria falou: "não sei!" Um falou: "um prefeito". Dá-se risada sobre estes mal entendidos, mas é muito triste a ignorância das pessoas em relação ao lugar onde vivem. O reflexo disso se vê no abandono de uma cidade, no cada um só pensar em si, num desenvolvimento estranho e pouco sustentável. A história de um lugar é composta pela história oficial, as lendas, os vestígios de uma época e as lembranças vivas de milhares de moradores. SEM UMA BASE HISTÓRICA VAMOS CONTINUAR NA CONTRA-MÃO DO QUE SE CHAMA "QUALIDADE DE VIDA".

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

MÁQUINA DE CAFÉ HISTÓRICA ESTÁ SENDO DEMOLIDA

MÁQUINA DE CAFÉ MIYASAQUI (BENEFICIAMENTO E LIMPEZA DE CAFÉ)

FOTOS By JOSÉ CARLOS FARINA.

CLIQUE NAS FOTOS PARA AMPLIÁ-LAS















































































































sexta-feira, 18 de novembro de 2016

O VERDADEIRO FUNDADOR DE ROLÂNDIA - NORTE DO PARANÁ


O Sr. Klaus Nixdorf acabou de "mexer" de novo na velha estória de quem foi o primeiro pioneiro ou fundador de Rolândia. Quando pensamos que o caso estava resolvido aparece mais esta. A fundadora de Rolândia foi a empresa inglesa de nome Companhia de Terras Norte do Paraná que começou um trabalho aqui antes que todos os demais chegassem. Foi a companhia de terras que entrou em primeiro lugar por nossas terras cobertas de floresta virgem com agrimensores e trabalhadores braçais para abrir as "picadas", ruas e estradas. Foi a companhia que antes de todos delimitou, lote por lote, e para isso tiveram que abir "picadas" , fazer as medições e fincar os marcos nas divisas. Foi um trabalho muito difícil, em meio a cobras e mosquitos, cipós, abelhas e arranha-gatos.. A primeira construção em Rolândia começou em 29 de junho de 1934 cuja propriedade era de Eugenio Victor Larionoff. O primeiro lote rural foi derrubado em 1932 pelo senhor Phillips. Os senhores Johannes Schauff, Erich Koch Weser e Osvaldo Nixdor foram contratados pela Companhia de terras para dar amparo e suporte nos primeiros anos aos pioneiros alemães e judeus. Todos os que chegaram nos primeiros anos são considerados pioneiros e têm muita importância pelo trabalho realizado. Aproveitamos para homenagear neste artigo todos os pioneiros anônimos que derrubaram com machados as árvores que haviam aqui para que surgisse as primeiras ruas, casas, comércios e lavouras. A maioria dos verdadeiros pioneiros, eram homens muito fortes vindos do Estado de São Paulo, Bahia e Minas Gerais. Foram pessoas anônimas, que ninguém se preocupou em anotar os seus nomes. Foi citar aqui os nomes de José Lemos, Antonio Cardoso e Vergilio Rodrigues. Esses sim trabalharam de "sol a sol" derrubando árvores imensas usando apenas um bom machado. O trabalho da família Nixdorf sempre foi reconhecido. Agradecemos o que fizeram, mas modificar a história ninguém pode. JOSÉ CARLOS FARINA

terça-feira, 8 de novembro de 2016

FOTO DE TIME AMADOR DE FUTEBOL DE ROLÂNDIA DOS ANOS 70

Na foto vemos os seguintes jogadores: Senda, Maniezo, Carlinhos Nass, Alvino, Mané da Black, Zanata e Serpeloni. Quem conhecer os demais, me avisa. CÓPIA By JOSÉ CARLOS FARINA. ORIGINAL COM O MANÉ DA BLACK.


segunda-feira, 7 de novembro de 2016

1ª IGREJA EVANGÉLICA DE ROLÂNDIA - PR.

IGREJA CRISTIANISMO DECIDIDO. NA ÉPOCA METODISTA. DE 1938. FOI CONSTRUÍDA INICIALMENTE NA AV. SALGADO FILHO, ESQUINA DA ROTATÓRIA. NA DÉCADA DE 80 FOI DESMONTADA E RECONSTRUÍDA NA CHÁCARA DE IGREJA. ALGUNS PIONEIROS E FUNDADORES DESTA DENOMINAÇÃ0: HENNING, SESSLER, BRAUN, CLOCK E KNAF.
OBS.: A varanda caiu e o assoalho está apodrecendo.. por falta de reparos...

sábado, 5 de novembro de 2016

HISTÓRIA DA FAMÍLIA FARINA DE ROLÂNDIA - PR.

RELATO DE JOSÉ CARLOS FARINA SOBRE A FAMÍLIA FARINA DE ROLÂNDIA

IMIGRANTES ITALIANOS

Meu bisavô Pietro Farina chegou no Brasil em 1896 em companhia de esposa Marina e do meu avô Giuseppi no colo com apenas 1 ano de idade... Trouxe apenas uma mala... por não ter dinheiro nem estudo foi trabalhar como colono na Fazenda Paranaíba (Jardinópolis-Sp.) onde ficou até morrer. O povo de hoje não sabe mas a maioria dos colonos das fazendas de café da região de Ribeirão Preto foram tratados como semi-escravos. Pelo fato deles não saberem ler e escrever e não falar o português, trabalhavam praticamente a troco da comida. Meu bisavô morreu em casa sem assistência médica acometido de "disenteria". Já meu Avô Giussepe Farina conseguiu juntar um pouco de dinheiro trabalhando na mesma fazenda, vindo depois para Rolândia em 1940 onde comprou um sítio de 8 alqueires nas proximidades do antigo Campo de Aviação (próximo a represa do Ingazinho). O meu saudoso pai José Farina Filho trabalhou desde pequeno na roça de café e depois com apenas o primário incompleto veio para a cidade em 1952 onde começou a comercializar lenha que as pessoas precisavam para alimentar os seus fogões "econômicos" ou "caipiras". Depois de três anos começou a trabalhar como corretor de terras para a Companhia de Terras Norte do Paraná. Nesta profissão, que acabou se profissionalizando e recebendo Carteira profissional, permaneceu até a sua aposentadoria. As vezes algumas pessoas falam dos "Farinas" mas, mal sabem que a história desta família não é diferente da história dos outros imigrantes, que com muito trabalho, ajudaram a tornar o Brasil uma nação próspera. Tenho orgulho de ser filho e neto de pioneiros que deixaram em nosso solo muito suor e sangue. Da minha parte tive que trabalhar também desde os 12 anos de idade. Trabalhava de dia e estudava a noite até me formar advogado. Meus irmãos também trabalharam muito a vida toda. Deus abençoe a pátria brasileira. Deus abençoe Rolândia.. TERRA DE PIONEIROS. ( Na foto vemos José Carlos Farina ( autor de relato) ao lado de seu saudoso pai José Farina Filho.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

ROLÂNDIA: HOMENAGEM PÓSTUMA a JOSEFA MARONE e ANGELO ARMACOLO

Angelo Armacolo nasceu em 1899 e faleceu em 1981. Foi pioneiro. Agricultor. Foi também proprietário de um supermercado onde hoje funciona o Café da Eskina. (esquina do Banco do Brasil). Teve 7 filhos: Julio, Abilio, Bortolo, Nair, Euclides, Celso e Luiz ( Ticão). CÓPIA By JOSÉ CARLOS FARINA













domingo, 16 de outubro de 2016

LEMBRANÇAS DA INFÂNCIA ( BENZIMENTO )

PEGUEI AGORA POUCO UM RAMO DE ALECRIM...

CHEIREI..
ME VEIO À LEMBRANÇA O CHEIRO DA MINHA MÃE
ME "BENZENDO" COM UM RAMO DESTA PLANTA MEDICINAL...
NÃO LEMBRO SE FIQUEI CURADO..
MAS QUE SAUDADE DO CARINHO DELA ME PASSANDO
O RAMO NA TESTA... NO OMBRO.... ORANDO A DEUS COM UM TIPO DE SUSSURRO....
E AQUELE CHEIRO GOSTOSO
QUE NÃO SAI DA MINHA LEMBRANÇA....
O MEU PASTOR DIZ QUE É ERRADO ESTES BENZIMENTOS..
MAS QUE GOSTOSO QUE ERA... 
BEIJO MÃE...
TE AMO..
DEUS TE ABENÇOE...

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

ELEIÇÕES E ELEITORES ANTIGOS

E L E I Ç õ E S: à Bico de Pena e à Urna Eletrônica

Reflexões de um Museólogo

“Experiência não é o que aconteceu com você mas o 

que você fez com o que lhe aconteceu.” 

Aldous Huxley 

1894 - 1963 - escritor inglês 

Sou do tempo em que as crianças apreciavam “ouvir” as histórias da “vovó”! Das inúmeras ouvidas de minha avó paterna uma jamais esqueci e relembro-me dela toda vez que ocorre um processo eleitoral. 

Começos do século 20, interior do Estado de São Paulo. Meu bisavô em dia de eleições costumava trancar especialmente as filhas mulher em casa não permitindo que saíssem à rua! Dizia ele ser “perigoso”. Curiosa minha avó resolve certa ocasião sair de casa e ir “espiar” pelas fechaduras das portas do edifício do Grupo Escolar , onde ocorriam as votações, junto com uma irmã, o que seria essa tal eleição da qual seu pai tinha tanto medo. 

Observa através de uma fechadura, junto com a tia Dagmar que um homem assinava um livro e de repente “ouviu-se” um forte estampido! Aquele homem cai no chão ensangüentado! Apavoradas, correm para casa e ainda “apanham de minha bisavó” por terem desobedecido ordens de seu pai. Para duas meninas paulistas dos inícios do século 20 esse acontecimento foi “traumatizante”! 

Eleição era isso ???

Começos do século 20 interior do civilizado Estado de São Paulo! Imagine-se o que acontecia pelo interior do Piauí, Minas Gerais, Mato Grosso, entre outros. 

Ao tempo da chamada República Velha não havia “voto secreto”. O eleitor comparecia diante do mesário e verbalizava o seu voto o qual era anotado em livros ou folhas avulsas e assinava um termo de comparecimento. As eleições eram presididas pelos Juízes Estaduais os quais por sua vez eram subordinados ao Poder Político local. Os “coronéis” tipo hoje José Sarney ou Renan Calheiros é que determinavam os candidatos os quais aquele “reduto” era obrigado a votar. Quem não votasse nos candidatos por eles indicados sofria terríveis perseguições as quais podiam chegar até ao assassinato sob o olhar de uma justiça complacente tão frágil quanto a própria vítima.

Tem-se que a JUSTIÇA ELEITORAL começa a surgir timidamente a partir da Revolução de 1930. Inserida dentro do Sistema Judiciário Federal a partir da constituinte de 1934. Constituição a qual sobrevive até novembro de 1937 quando Getúlio Vargas “fecha o Congresso Nacional e obriga” Armando Salles Oliveira, Governador do Estado de São Paulo e candidato à Presidência da República naquele ano de 1937 a buscar exílio para sobreviver. 

1937 era para ter eleições para a Presidência da República abortada com o Golpe de Estado acontecido em princípios de Novembro. Eleições só em 1945 onde experimentou-se o voto secreto,em folhas de papel e onde as mulheres puderam pela primeira vez votar. 

Se “eleições” fossem o remédio para todos os nossos males deveríamos nos encontrar no melhor dos mundos! Ao contrário! Somos obrigados a votar e se não o fizermos pagamos “multa”! Recebemos todo tipo de sanções.

A cada dois anos somos literalmente obrigados a participar de em um jogo de cena ! Correm fortunas incalculáveis nessa “encenação” enquanto hospitais fecham por falta de recursos, escolas, creches, asilos, sobrevivem a míngua. 

Na chamada República Velha as eleições eram menos “hipócritas” hoje temos a questionável urna eletrônica, sucedânea da eleição “à bico de pena”. Questionada por alguns políticos “lúcidos” e “combativos” como o célebre Dr. Enéas ou estilista Clodovil Hernandes todos vão à óbito de maneira estranha!

Eleições movimentam vultosos recursos financeiros! Propiciam notícia na imprensa, movimentam institutos de opinião, estrategistas em marketing, gráficas, gastam-se papéis adoidado... Geram polpudos empregos para Ministros, advogados,funcionários da Justiça Eleitoral. Para quê ??? 

O que há por trás da urna eletrônica, pergunto-me ???

Para mim ela é um “blefe” que de tão moderna jamais será adotada por países como: Austrália, Nova Zelândia, Inglaterra, Suíça, o próprio Estados Unidos. Por quê ??? Simplesmente não é possível conferir ou reconferir o resultado de uma eleição! Nem o eleitor sabe realmente em quem está votando! 

Nunca se saberá se ela teria sido adredemente preparada para um resultado almejado. Preferível as eleições”à bico de pena” da República Velha ao que se me parece, salvo melhor juízo uma triste “hipocrisia moderna”. 

Na saudades da infância, da vovó e de uma tia avó peroro relembrando-me da figura de Otto Von Bismark (18l5-1898) o chanceler de ferro do extinto Império Alemão.

Uma de suas frases famosas encontramos esta: 

“ – As leis e as salsichas é bom que o público jamais saiba como são feitas!”

Ao que acrescentarei como pensamento de um velho e cansado museólogo:

“ – Talvez seja bom que jamais saibamos o que ocorrem efetivamente nas “eleições” em nosso país! Utilizando-me das “metáforas” da vovó podem nos 

“embrulhar o estômago”!

Dado no “campus” da UEL

termos do Museu de Geologia e Paleontologia

Hora da Vésper Calendas de Octobris de 2.0l6 DC

Após as eleições Municipais acontecidas em 2 de Outubro

Londrina o coração de sua população “geme” e “arde” por Marcelo Belinatti! 

Alexandre Kireef diz-se deverá ir para a Ambev...

Em 3.369 de Memphis Annum da AMORC Rosae Crucis




















































quarta-feira, 5 de outubro de 2016

ALFRED HOFFMANN, CONSTRUTOR ALEMÃO DOS ANOS 40 a 60

Rosa Hoffmann Meu pai Alfred Hoffmann , está nesta foto, tenho algumas fotos da fazenda bimini , ele que foi o construtor da cede e também da igreja matriz , aqui ele era construtor mais na Alemanha engenheiro civil mas não falava português direito não pode exercer sua profissão.


HOTEL ROLÂNDIA ESTÁ APODRECENDO... ABANDONADO.. ESQUECIDO... SOCORRO!!!....



REVISÃO DO PROGRESSO, JÁ! A foto, de 1935, do “Hotel Rolândia” lembra o marco inicial do pioneirismo no Norte do Paraná. Estes heróis, muitos deles anônimos, que desbravaram a floresta, deram a base do progresso que hoje temos. Parece até ingratidão de nossa parte terem sobrado tão poucas testemunhas daquela época. Poderíamos nos inspirar no esforço e na união daquela gente do passado para mudar uma atualidade sem muitas perspectivas. É hora de, urgentemente, exigirmos mecanismos fiscais e de preservação de patrimônios históricos e paisagísticos, para reconstruir e salvar o que resta.
COMENTÁRIO: Se  não fosse uma ação popular que ajuizei na época estas madeiras já tinham virado móveis finos em são paulo e Rio. Só que as obras de reconstrução estão paradas. O Hotel está apodrecendo. Pedimos SOCORRO!... JOSÉ CARLOS FARINA

sábado, 1 de outubro de 2016

RECORDAÇÕES DE UM PIONEIRO DE ROLÂNDIA


" UMA VIDA" 
QUANTOS TESOUROS GUARDADOS...
UMA HISTÓRIA DE DESBRAVADORES E PIONEIROS DE AMOR E RESPEITOS PELOS MAIS VELHOS, PASSADO DE PAI PARA FILHO.

Hoje fizemos uma visita ao nosso amigo Sr. Issashi Suzuki, na conversa mostra que não é muito ligado a coisas materiaIs, mas os olhos nos revelou uma profunda tristeza, lamenta a perda do Hotel Rolândia, onde ele guarda uma relíquia e unica lembrança dos troncos de árvores que sustentava o hotel.
MOSTROU ALGUMAS RELÍQUIAS A FOTO DO SEU PAI COM VÁRIOS TROFÉUS DE JOGOS GUETOBORU, TAMBÉM RELATOU SOBRE A CADEIRINHA DA IRMÃ QUANDO CRIANÇA DO ANO DE 1950. 
OS TACOS DE GUETOBORU SÃO MEUS, ESSES ERAM OS QUE EU MAIS GOSTAVA...

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

sábado, 24 de setembro de 2016

ROLÂNDIA: TIME DO COUNTRY DÉCADA DE 70

treino (racha) que acontecia sempre nas tardes de sábado no country Club. nesta foto estão: Tibileti (de óculos), Reno Brun, Eden lemos, Edivaldo Moreno (Campeão), Odir, Walter Rauch, Zico, Valdo Lanfranchi (Padeirinho) e Wanderley Rocha (juiz). informação foi repassada pelo Jarbas Junqueira. Nesses rachas os goleiros tiravam par ou ímpar e quem ganhasse escolhia primeiro. FRANKLIM JUNIOR NEGRÃO.
CLIQUE NA FOTO PARA AUMENTÁ-LA. FOTO By ELSE RAUSCH


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

FAMÍLIA DE JOSÉ QUALIO e DIOLANDA LEONARDI QUALIO ( ROLÂNDIA - PR. )

Sou amigo da família desde a década de 60. Fui colega do Filho deles, o Jair. Família honrada de pessoas trabalhadoras e honestas. Visitava sempre eles. Primeiro aqui na cidade, depois no sítio no Jaborandi. Tenho saudade daqueles tempos. Grandes momentos. Um abraço ao Jair, Iracema, Ivani, Gilmar e Sidnei. JOSE CARLOS FARINA
Obs.: O sr. da camioneta, de bigode, (atrás, perto da criança) é o sr Paulo Quaglio, Pai do Sr. José, fundador de rolândia. A foto foi feita no sitio do km 12, hoje pertencente a fazenda bimini. O de jaqueta de couro é o Sr. Jõao Quaglio .