quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

AMO ROLÂNDIA E O NORTE DO PARANÁ

Eu amo Londrina... como amo também Rolândia e o norte do Paraná. Se tem uma pessoa bairrista esta pessoa sou eu. Aqui é um lugar de fartura, de gente trabalhadora e honesta. Quando viajo para fora do norte do Paraná logo sinto saudade da terra vermelha e das nossas paisagens repletas de soja, milho, feijão arroz e café.  Quando vou chegando, já sinto-me mais feliz ao contemplar as primeiras paisagens rurais. Mas, para comemorar os 80 anos de Londrina, vou falar porque amo Londrina. Quando pequeno meu saudoso pai levava eu, meus irmãos e minha mãe para passear uma vez por ano em Londrina. Sempre no Natal... Meu pai aproveitava para comprar com preços "mais em conta" os nossos presentes. Íamos de jipe 1951. Minha mãe, meu pai e minhas irmãs pequenas iam na frente... eu e meus 3 irmãs atrás na caçamba. Quando chegávamos na entrada da cidade meu pai  mostrava para nós uma indústria de verdade: a empresa Cacique de café solúvel... para nós era uma novidade... Rolândia nesta época só tinha um pequeno comercio e empresas de beneficiamento de café e duas serrarias. Ao entrarmos em Londrina em época de Natal ficávamos encantados com tudo: mais carros nas ruas... os luminosos...  as ruas enfeitadas com luzes piscando... muitas pessoas...  famílias inteiras andando na ruas... era o clima de natal nos anos 60... Não sabíamos para onde olhar. Tudo nos encantava... meu pai abria a porta traseira do jipe e aquilo para nós era melhor que cinema. Pena que eu não tinha filmadora na época.... Meu pai sempre estacionava o jipe ali na Av. Sergipe, perto da Rodoviária. Já era difícil conseguir vaga naquela época. Mas também todo mundo da região ia para Londrina para passear e comprar os presentes e roupas e sapatos para as crianças. Meu pai, e 90% da população, fazia as compras no "Armarinho Paulista" localizado quase que em frente a rodoviária da Sergipe. Lá encontrávamos quase tudo o que precisávamos. Minha mãe sofria muito dentro da loja. Tinha muita gente fazendo compras. Ela tinha muito medo de perder um dos filhos. Ela carregava a minha irmã Dolores no colo e eu e meus irmão tínhamos que ficar de mãos dadas para não nos perdemos no meio daquela multidão. Acontece que quando víamos os nossos brinquedos prediletos ficávamos excitados e ai largávamos as mãos e cada um ia para um canto. Nesta hora minha mãe aos gritos chamava os seus "pequeninhos" igual faz a galinha com os seus pintinhos.. Zé Carlos... Paulo... Pedro... Marquinhos... peguem nas mãos... venham aqui... dava bronca no meu saudoso pai: - José... você também não ajuda. Cadê o Zé Carlos?... teve um dia que a mocinha do microfone me localizou pelo alto falante... estava perdido e chorando e ouvi a moça falando assim: - Atenção Zé Carlos.. sua mãe está lhe esperando aqui no Caixa... Perguntei para alguém onde era o tal Caixa que na época não sabia o que era... chegando lá minha mãe chorando me abraçou e me entregou para o meu pai com a seguinte ordem: - Segura ele Zé e vê se não o perde mais... meu pai ficou tão contente por ter me encontrado que acabou me presenteando com um revólver de brinquedo da "Estrela", com o coldre, espoletas de tiras, estrela do xerife e balas de plástico. Era um dos meus sonhos. Fui crescendo e o meu amor por Londrina também... chegou a época do vestibular... prestei vestibular e passei para o curso de direito na UEL em 1975. Com o fechamento do cinema em Rolândia frequentava os cinemas de Londrina ... cine Vila Rica.. Ouro Verde.. agora mais recente os cinemas do Shopping Catuai. Casei e minha segunda filha nasceu no Hospital Evangélico.  Minha filha mais velha casou e o meu genro foi contratado para lecionar do Colégio Max e depois Sants James... sempre Londrina... Meu amor por Londrina é tão grande que um dos meus vídeos de maior sucesso no YouTube é o "Sete Locomotivas acelerando em Londrina". Falando em vídeos, para homenagear para sempre a minha querida Londrina gravei alguns filmes com o nome "Amo Londrina by Farina" onde me irmano com alguns londrinenses deixando mensagens eternas do nosso amor por esta cidade e região. Recentemente produzi um vídeo com o nome "Trem dos Pioneiros de Londrina" gravado na antiga estação onde entrevistei um pioneiro de 1937. Neste dia  deixei algumas lágrimas pela emoção ao imaginar os pioneiros chegando e começando do zero uma vida nova no meio da floresta virgem. Na hora da narração a voz embargou... enxuguei a lágrima e continuei... que lugar mágico aquela estação... aquele trem Maria Fumaça. Londrina deve tudo aos pioneiros, aos ingleses e ao Trem. Sou neto, com muito orgulho, de pioneiros, por parte de pai e de mãe. Meus avós estão sepultados em Rolândia. Terminando quero deixar mais uma vez vez gravado neste texto o meu amor e gratidão por esta região mágica em que nascemos, crescemos e queremos um dia ser sepultado. ( não estou com pressa)... Se alguém das atuais e futuras gerações lê-la e servir de exemplo e incentivo ficarei imensamente feliz. Mas digo que vale a penar morar aqui... trabalhar... viver... lutar e se preciso for morrer por Londrina e pelo Norte do Paraná.  JOSÉ CARLOS FARINA ( BLOG DO FARINA )

domingo, 14 de dezembro de 2014

ROLÂNDIA: Surge uma cidade no meio da Floresta

 ROLÂNDIA ( 1936 )

Em 1936, data provável da foto, Rolândia praticamente consistia da Estação de Trens,  o armazém geral da Cia. São Paulo / Paraná e uma "meia dúzia" de casas de madeira. No rumo oeste apenas a mata... Arapongas ainda não tinha surgido. Este trem era o elo de ligação da cidade surgindo no meio da floresta e bichos e São Paulo, a grande capital do Brasil. Chovesse ou fizesse sol este trem chegava e partia todo o dia. Trazendo sonhos... vidas... e levando as nossas riquezas... o fruto do trabalho dos heróis pioneiros. Devemos tudo aos ingleses e aos pioneiros destemidos, fortes e corajosos. A nossa gratidão eterna. Deus abençoe Rolândia e o norte do Paraná. Terra de valentes... de gente trabalhadora e honrada. JOSÉ CARLOS FARINA

FOTO RARÍSSIMA DE ROLÂNDIA DE 1936

Praticamente Rolândia consistia da Estação de Trens.... o armazém geral da Cia São Paulo / Paraná e uma "meia dúzia" de casas de madeira. No rumo oeste apenas a mata... Arapongas ainda não tinha surgido. Este trem era o elo de ligação da cidade surgindo no meio da floresta e bichos e São Paulo. Chovesse ou fizesse sol este trem chegava e partia todo o dia. Trazendo sonhos e levando as nossas riquezas. Devemos tudo aos ingleses e aos pioneiros destemidos, fortes e corajosos. A nossa gratidão eterna. JOSÉ CARLOS FARINA

sábado, 13 de dezembro de 2014

Rolândia: Construção histórica foto

SALÃO COMERCIAL LOCALIZADA NA RUA DUQUE DE CAXIAS. PORTAS DE MADEIRAS COM DUAS FACES. FOTOS By  JOSÉ CARLOS FARINA















sábado, 6 de dezembro de 2014

Nova cassação do prefeito Johnny Lehmann de Rolândia

Prefeito Johnny Lehmann de Rolândia foi cassado de novo

Agora é oficial.
Ano novo.. vida nova para Rolândia.
Teremos um novo prefeito a partir de janeiro.
Ante todo o exposto, com fundamento a seguir... quanto ao reconhecimento  da prática de uso indevido dos meios de comunicação e a aplicação das consequentes sanções de cassação de diploma e inelegibilidade por 8 (oito) anos para ambos os Recorrentes nos termos do art. 22, XIV da LC nº 64/90.
Anoto que, por consequência, cessam os efeitos da liminar concedida na ação cautelar nº 272-34.2013.6.00.0000, ensejando a execução desta decisão com as providências previstas no art. 257, parágrafo único do Código Eleitoral.
no art. 36, § 7º, do Regimento Interno do Tribunal Superior Eleitoral, DOU PROVIMENTO EM PARTE aos recursos especiais eleitorais, apenas para afastar o reconhecimento da prática da conduta vedada descrita no art. 73, VII da Lei nº 9.504/97 e as sanções dela decorrentes, mantendo no mais o acórdão recorrido
Vejam que a decisão é monocrática . É a opinião da Ministra relatora. Cabe ainda recurso no próprio TSE, porém ele não tem efeito suspensivo. O TSE  pode agora emitir uma determinação para o juiz eleitoral local para que Johhny  Lehmann  deixe  o cargo nos próximos dias.
  http://www.claudioosti.com.br/?p=1215#sthash.WgmqceFJ.dpuf
COMENTÁRIO:
Elvio Flávio Freitas Leonardi O processo principal foi julgado, por decisão monocrática da Ministra Relatora. Por isso a liminar foi cassada! No entanto, cabe recurso de agravo regimental ainda, para que o colegiado julgue. Contudo, não vejo possibilidade de sucesso, pois o julgamento monocrático apenas se dá em situações excepcionais, como, por exemplo, quando a jurisprudência do Tribunal já ser consolidou no sentido da decisão tomada pelo relator.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

HANS HELMUT BEHREND e SUZANE BEHREND (PIONEIROS DE ROLÂNDIA - 1937 )

ACERVO DA FAMÍLIA BEHREND - CÓPIA By  JOSÉ CARLOS FARINA




























PILOTOS DE KART DE ROLÂNDIA DOS ANOS 70 - HISTÓRIA by FARINA

FOTOS DO ACERCO DE RENATO BEHREND ( CÓPIA By  JOSÉ CARLOS FARINA)














Legenda: Clóvis Amiante ( Canjica), Norberto Dietrich, Juacir, Pingueli, Frigheto.














Legenda: Renato Behrend, Zanata e Helmut Behrend.













Legenda: Clóvis Amiante ( Canjica), Norberto Dietrich, Juacir, Pingueli, Frigheto e Zanata.

































Renato Behrend recebendo uma homenagem de Rubens Gatti.


































segunda-feira, 24 de novembro de 2014

JUIZ. DR. JOÃO BATISTA DE ASSIS - ROLÂNDIA - PR.

O JUIZ DR. JOÃO BATISTA DE ASSIS, DE SAUDOSA MEMÓRIA, FOI UM DOS MEUS ELEITORES... GENTE BOA ESTAVA AÍ... SEMPRE ME TRATOU MUITO BEM, PODENDO DIZER QUE ERA UM AMIGO... UM GRANDE JUIZ... FUMAMOS MUITOS HOLLYOODS NAS AUDIÊNCIAS... (NAQUELE TEMPO PODIA).... NO DIA DA MINHA DIPLOMAÇÃO DE VEREADOR ELE PEDIU PARA ENTREGAR O MEU DIPLOMA... (FIQUEI ORGULHOSO)... FOI NESSE DIA QUE ELE ME FALOU: VOCÊ NÃO ME PEDIU MAS O MEU VOTO FOI PARA VOCÊ...  AO FUNDO O SAUDOSO NAKANO  QUE FOI PREFEITO AQUI EM SUBSTITUIÇÃO AO PEDRO SCOMPARIM QUE RENUNCIOU.... O DR. JOÃO BATISTA CASOU COM UMA SENHORA DE ROLÂNDIA E NA OCASIÃO DO SEU FALECIMENTO RESIDIA EM CAMBORIÚ... A EMPREGADA DELE DISSE-ME QUE ELE ERA UMA PESSOA MT ESPECIAL E TRATAVA TODO MUNDO COM MUITA EDUCAÇÃO E CARINHO....POSSUÍA DEZENAS DE AMIGOS. MUITOS DELES PESSOAS SIMPLES DA COMUNIDADE. QUE DEUS O TENHA. JOSÉ CARLOS FARINA

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

BANHO EM CHUVEIRO DE " CORDINHA "

Já tomei alguns banhos em um chuveiro igual no sítio do meu avô espanhol João Martin. A gente "temperava"  a água fora. Tinha que economizar. Primeiro molhava o corpo. Depois ensaboava. Por último o enxague. Nesta última fase  o banho acabava quando não tinha mais água. Hoje para economizar e poupar os nossos reservatórios dá para fazer o mesmo. Nada de ficar cantando no chuveiro.... TEXTO de  JOSÉ CARLOS FARINA. FOTO By  DANIEL STEIDLE

terça-feira, 18 de novembro de 2014

ORLANDO e ANÍSIO METZGER - CARNES e EMBUTIDOS - ROLÂNDIA - PR.

Os Srs. Orlando Metzger e Anísio Metzger, de saudosa memória, merecem uma homenagem póstuma, pois foram  homens de bem... ótimos açougueiros.. bom chefes de família exemplares.. ótimos cidadãos. Os produtos fabricados por eles  no Açougue Central divulgaram a cidade em toda a região.  Os melhores embutidos ( salsicha, linguiça cachorro quente, salame, mortadela, linguiça Blumenau, chouriço, bisteca defumada, queijo de porco, eisbein.... TEXTO By  JOSÉ CARLOS FARINA

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

FOTO SEMANA DA PATRIA EM 1970 - PRAÇA CASTELO BRANCO

Patriotismo !!!!!
"É o sentimento de orgulho, amor e devoção à Pátria. "  Essa foto é de 1970 , guarda do Fogo Simbólico na Semana da Pátria. Olha o respeito que a gente tinha naquela época. Na foto vemos, no centro, Ilona Appel Farina, do lado direito, Ulla Raio e Miguel de Paul
a.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

sábado, 1 de novembro de 2014

VENDAS ANTIGAS DE SECOS E MOLHADOS ( EMPÓRIOS ) DO NORTE DO PARANÁ



Da época da fundação de Rolândia até o final dos  anos 70 não havia  supermercados, mas apenas  vendas ou empórios. Estas vendas  (secos e molhados) eram pequenos  supermercados que vendiam arroz, feijão, batata,  tomates, cebola, alho, sardinha salgada, etc. por quilo. Tinha armários  cheios destes alimentos. O dono da venda pegava uma espécie de concha de lata e enchia sacos de papel de acordo com a quantidade. O óleo era as vezes vendido por litro ( o cliente trazia o litro de casa).  A pessoa levava um litro que era enchido na hora. Tinha também o óleo envasado em latas quadradas de um litro. Mercadorias do tipo iogurte, sorvete, patê, presunto, mussarela, frutas frescas era difícil de encontrar. Por ex. maçã, você só encontrava em quitandas especializadas, pois as mesmas eram importadas da argentina e custavam uma fortuna. A maioria das famílias só compravam maçã pra dar para pessoas doentes. Verduras e legumes eram comprados nas feiras livres, mas a maioria das famílias cultivavam  hortas caseiras. Minha mãe sempre teve a sua (até hoje né dona Sebastiana ?) Sempre tivemos fartura de verduras. Muitas vezes eu e meus irmãos saíamos vendendo  na vizinhança levando-as em cestos. Com o  dinheiro das vendas comprávamos sorvetes e outras guloseimas.  Estas vendas ou empórios vendiam também sardinha ou manjubinhas salgadas, bombinhas de são João, paçoquinha, bolinhas de vidro, querosene em latas de 5 litros, biblioquês, peões, pinicos, etc. Bolachas ou biscoitos só tinha de um tipo (biscoito Maria).  Macarrão era difícil encontrar mais que uma marca. Naquele tempo o comerciante embrulhava as mercadorias com jornal e depois amarrava o pacote em forma de cruz com barbante grosso. Eles faziam com agilidade. Eu gostava de ver... depois treinava em casa... quem sabe um dia poderia ser também um comerciante... Algumas vendas ficaram famosas porque vendiam também picolés de groselha. A molecada fazia a festa. 99% dos clientes levavam cadernetas e marcavam as compras "fiado", ou seja para pagar no final do mês. As vendas que eu me lembro era a do Português Aniceto, o verdão que depois virou mini-mercado, a Casa Primavera e o Braziluza. Minha mãe mandava eu comprar numa venda que ficava na esquina da prefeitura, onde hoje é o escritório do meu irmão Paulo. Lembro-me que com o passar do tempo estas vendas começaram a vender produtos que era novidade na época. Ex. Garrafas térmicas, Q-suco, tubaína e botinas daquelas que tem um lacinho atrás. Coca-Cola e guaraná a maioria das famílias só consumiam em dias especiais como Natal, Ano Novo e Páscoa. A molecada tinha uma mania de furar a tampa do guaraná com prego...  Em ocasiões de festas o refrigerante servido era sempre o guaraná da Antártica. Algumas vezes tomávamos também Crush e Grapete.  Havia muita fartura de produtos colhidos aqui na região, ex. laranja, verdura, legumes, arroz, feijão.  Hoje, graças a Deus quase todas as  famílias podem consumir toda semana Coca-Cola, guaraná, sorvetes, frutas diversas, queijos, carne, etc. O único problema sério hoje (e põe sério) é o aumento dos assaltos e assassinatos. JOSÉ CARLOS FARINA

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

HOMENAGEM A SILAS NEVES DE SOUZA - professor e vereador

Professor Silas. Lecionou em vários colégios de Rolândia. Foi vereador por dois ou três mandatos. Pessoa com boa dicção tinha o dom da oratória. Possuía  muitos amigos na cidade. Ele era respeitado como político e como professor. Morava em frente o Colégio Souza Naves onde hoje é o escritório do advogado Zé Maria. Morou um tempo em Matinhos-PR. - foi sepultado em Rolândia. Gostava dele. JOSÉ CARLOS FARINA
comentários:
Vera Lucia nossa meu professor de geografia

Marlene Grotti Foi meu professor no Colégio Kennedy....era pai dos colegas Silas Ricardo e Silas Roberto. Bons tempos!!!! 1976.