domingo, 23 de julho de 2017

ROLÂNDIA: AQUI TEM HISTÓRIA

DANIEL STEIDLE

ESCOLA DO KM. 10

REVITALIZAÇÃO DA ESCOLINHA DO KM 10... De lá vai sair, dia 27 de agosto, a II CAMINHADA DA INTEGRAÇÃO. O momento seria muito oportuno para anunciar um mutirão de esforços em restaurar este marco histórico e transformá-lo num MEMORIAL... Que tal ser parte desta história?

segunda-feira, 17 de julho de 2017

FUTSAL ROLÂNDIA ANOS 70 ( SÓ FERA )

ANOS 70.

VEMOS AQUI ODIR GIORDANI( TÉCNICO) IN MEMORIAM. 

JOGADORES:

GUSTAVO GIORDANI, ROBERTO E O ROBSON NEGRÃO, LUIZ E O JULINHO GUARIENTE, E O GOLEIRO GILBERTO VASCONCELOS.

FOTO By LUIZ CARLOS GUARIENTE

sexta-feira, 14 de julho de 2017

GILBERTO DE PAULA ( ROLÂNDIA )

ELIANE SCOMPARIM
Gilbertinho sempre gostou de velocidade, aventuras, de testar os limites, mas um Amigo com um coração enorme agora fica a saudade!

COMENTÁRIO:
Fui amigo dele tbm e posso confirmar. Uma pessoa leal e simples. Abraçava os amigos. Gostava de viver no limite. Era uma lenda em Rolândia nas décadas de 70 a 80. Descansa em paz meu amigo.
FARINA

terça-feira, 11 de julho de 2017

quinta-feira, 6 de julho de 2017

ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DO CEBOLEIRO / ROLÂNDIA / PR. ( TRENS / FERROVIA )

FONTE:

ESTACOESFERROVIARIAS

Altitude: 769 m Inauguração: 01.01.1942
Uso atual: demolida com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d

HISTORICO DA LINHA: A E. F. Noroeste do Paraná foi aberta ao tráfego em 1925 ligando Ourinhos, na linha-tronco da E. F. Sorocabana, em São Paulo, a Cambará, no Paraná. Comprada pelos ingleses da Cia. de Terras do Norte do Paraná, teve seu nome alterado para E. F. São Paulo-Paraná. Prolongada até Apucarana em 1942 e povoando a região, virgem até 1929, foi vendida ao Governo Federal em 1944 e incorporada imediatamente à RVPSC. Foi prolongada, em diversas fases, até atingir Cianorte, em 1972, onde parou. O tráfego de passageiros, dividido entre os trechos Ourinhos-Maringá e Maringá-Cianorte, parou em 1981 no primeiro trecho, onde rodava com trens de passageiros que vinham de São Paulo, e um pouco antes no outro, onde trafegava em trens mistos. Atualmente circulam apenas trens cargueiros da ALL, atual concessionária, no ramal, e o trecho Maringá-Cianorte está abandonado.

A ESTAÇÃO: A estação de Ceboleiro foi inaugurada em no primeiro dia do ano de 1942. Era uma colônia húngara, inclusive o nome da localidade era, antes da 2ª Guerra, Bethlem, em homenagem a uma cidade do mesmo nome da Hungria. 

A estação já foi demolida há anos, e hoje existem duas plataformas abandonadas ao lado dos trilhos, uma perto da outra. Provavelmente, uma da estação e outra do armazém. 

A vila também ficou conhecida nos áureos tempos da ferrovia por ter um grande bordel. Fica hoje próxima à praça de pedágio existente na rodovia, entre Arapongas e Rolândia. 

(Fontes: Vastiler Horacio; Douglas Razzaboni; Folha da Manhã, 1/1/1942; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960)

quarta-feira, 5 de julho de 2017

MARIO BARBOSA ( ROLÂNDIA - PR. )

FOI DONO DE UMA PEDREIRA EM ROLÂNDIA QUE FUNCIONAVA ONDE DEPOIS SE INSTALOU O CURTUME BERGER.  FOI  PRES.  DA ASS. COMERCIAL. PAI DO EX-VEREADOR NELSON BARBOSA E DO ADVOGADO NILTON BARBOSA.

FOTO CÓPIA By FARINA

DR. ANTONIO PINCELI ( ROLÂNDIA-PR. )

Foi advogado e contabilista em rolândia. décadas de 60 a 2000
Foi secretário da administração na gestão 1988 a 1992.
de saudosa memória
CÓPIA By FARINA.


sábado, 1 de julho de 2017

PERAZOLO NÃO DEIXOU INSTALAR PRAÇA DE PEDÁGIO EM ROLÂNDIA - PR.



09/01/1998


Arquivo FolhaPedágio ficará na altura do Contorno Sul, entre Cambé e Rolândia; prefeito quer mudá-lo para ArapongasO prefeito de Rolândia (25 km a oeste de Londrina), José Perazolo, se posicionou contra o local escolhido para construção da praça de pedágio na BR-369. O Consórcio Viapar, de Maringá, venceu a licitação para privatização da rodovia, que faz parte do Lote II do Anel de Integração. O local projetado para o pedágio fica a 300 metros do início do Contorno Sul (entre Cambé e Rolândia). Perazolo expôs sua opinião anteontem, durante reunião com representantes do Viapar, da Polícia Rodoviária e autoridades locais. 
‘‘Não somos contra o pedágio, mas contra os efeitos que ele terá sobre a população rolandense que, em grande número, trabalha ou estuda em outras cidades da região e será penalizada, diariamente, com o pagamento de tarifas nas viagens de ida e volta à cidade’’, reclamou. Perazolo pretende mobilizar os prefeitos da Associação dos Municípios do Médio Paranapanema (Amepar) e deve discutir o problema, nos próximos dias, com o secretário de transportes, Heinz Herwig. 
Para Perazolo, o pedágio deveria ficar entre Arapongas e Rolândia, onde traria menos prejuízos para a população de Rolândia. ‘‘Há viabilidade do pedágio ser transferido, basta bom senso dos projetistas’’, entende o vice-prefeito João Dário. 
Mas a localização dos pedágios foi definida pelo governo do Estado, antes de submeter as rodovias à privatização. As obras deverão começar em três dias em Rolândia. Para a construção da praça de pedágio, o tráfego será desviado pela avenida presidente Vargas, trecho urbano da BR-369. 
Na reunião, os diretores do Viapar se comprometeram em recuperar a rodovia no perímetro urbano, durante e depois da utilização do trecho para desvio do tráfego. A empresa garantiu ainda um processo de geração de empregos e fomento para indústrias locais. 
Nesta primeira fase, uma empresa de Rolândia foi contratada para fornecer estruturas de pré-moldados. ‘‘A população ainda será beneficiada com rodovias em perfeitas condições, equipadas com paramédicos, ambulâncias, guinchos e telefonia’’, afirmou o representante da Viapar Frederico De La Roque. 
Para esclarecer as dúvidas do prefeito, a Viapar marcou uma nova reunião em data ainda não definida. A empresa admite a possibilidade de oferecer tarifas diferenciadas.


Luciane Tonon