sábado, 29 de junho de 2013

COLÉGIO SOUZA NAVES E ALUNOS 1966






Jose Gomes Da Silva - GRUPO ESCOLAR SOUZA NAVES, hoje COLÉGIO ESTADUAL SOUZA NAVES decorávamos a rua. Que saudades da escola e das minhas queridas colegas. No fundo podemos ver um pedacinho do prédio. Isto foi no ano de 1966. COMENTÁRIO: Conheço ai desta foto a Dona Nair Albuquerque, Lidí e Marinácia, professoras.. JOSÉ CARLOS FARINA.



FOTO FAMÍLIA COLUSSI EM 1937 - ALMOÇO ÁGUA DO CICLONE

Almoço da familia Colussi em um domingo de 1937, na Agua do Ciclone em Rolândia-Pr. Observe o detalhe da cobertura. Naquela época era comum a cobertura com " tabuinhas " .



EDWARD CARLOS DE SOUZA - CONSTRUTOR de ROLÂNDIA

 ESSE MEU AMIGO EDWARD É UM MINEIRO CONSTRUTOR... CONSTRUIU O HOSPITAL  SÃO JUDAS E CENTENAS DE OUTRAS CASAS... A VIDA DELE DÁ UM LIVRO.. LIVRO DE AVENTURAS... ELE O TONHÃO E O GEBERT....

quinta-feira, 27 de junho de 2013

TREM MARIA FUMAÇA SOBRE O RIO TIBAGI DÉCADA DE 30

FARINA HISTORIADOR RECEBE ELOGIO ( ARNO )

O Farina faz um bom trabalho rememorando as velhas histórias e personagens de Rolândia. Aqui temos o Uli, diziam que era o único em Rolândia que encarava, se fosse preciso, o Bernardo. O Bernardo (José Bernardo Neto) era ensacador, depois virou dono de bar, boa gente. E muito forte. Acho que eram os dois mais fortes de Rolândia na época. Hoje não vejo ninguém que poderia ser páreo para eles, ou tem Farina ? ARNO GIESEN

FOTO DE UM QUINTAL DE SÍTIO NORTE DO PARANÁ

Aqui no norte do Paraná, nos anos 40 a 70, era assim. Uma casa de madeira... tulha...  paiol...  forno caipira... chiqueirão.. curral... poço caipira.. galinhas no quintal... cortar lenha... JOSÉ CARLOS FARINA














quarta-feira, 26 de junho de 2013

ULI BARTZ - Ulrich - O HOMEM MAIS FORTE DE ROLÂNDIA ( anos 60/80)

Uli Bartz ( Ulrich - 1º à esquerda),  segundo os  meus tios que foram  vizinhos dele lá na Gleba Três Bocas, foi o homem mais forte de Rolândia nos anos 60 a 80. Depois ele mudou para Faxinal-Pr. Virou lenda. Várias pessoas confirmaram que  viram ele erguer sozinho um tambor com  200 litros  de óleo diesel. Um dia meu tio Toni saiu com ele lá em Faxinal. Na hora do almoço ele parou em um restaurante e pediu dois frangos assados ( inteiros). O meu tio disse: Mas Uli um frango é muito para mim, Uli respondeu: - problema teu... Uli comeu o seu frango inteiro e o meu tio apenas  duas coxas. Uli perguntou: - Não vai comer mais: - Não estou satisfeito - respondeu;  Uli então comeu mais um frango. Uli vinha sempre na cidade com a sua camionete Unimoghi... uma camionere gigante com pneus enormes. Ele parava ali sempre em frente o Bradesco. Gostava de usar bermudas e botas de sola grossa, estilo alemão. Ouvi falar que ele e o Herbert praticavam ginástica olimpica. Era de pouca conversa. No final da safra sempre vinha para a cidade tomar umas cervejas. Ouvi outras histórias dele. Conto outro dia. Ao lado, na foto está o seu irmão Herbert... o primeiro agricultor que implantou e pesquisou o plantio direto na América do Sul. ( Foto: Acervo Família Bartz). TEXTO de JOSÉ CARLOS FARINA
COMENTÁRIO:
Arno Geisen Já escrevi aqui que o Farina faz um bom trabalho rememorando as velhas histórias e personagens de Rolândia. Aqui temos o Uli, diziam que era o único em Rolândia que encarava, se fosse preciso, o Bernardo. O Bernardo (José Bernardo Neto) era ensacador, depois virou dono de bar, boa gente. E muito forte. Acho que eram os dois mais fortes de Rolândia na época. Hoje não vejo ninguém que poderia ser páreo para eles, ou tem Farina ?
RESPOSTA:  O Fritz Bernardy tbm era mt forte... falando em brigar... o Joe  não provocava ninguém, mas foi preciso algumas vezes ele dar lições em alguns valentões.... No futebol ninguém brigou mais do que o Ticão e Tonhão.... Uma vez o Ticão expulsou o juiz e quis pegar alguém da platéia para apitar.. ninguém quis.. apanhar ninguém quer... o Tonhão foi dar um murro no adversário e acabou acertando um companheiro... acabou nocauteado..... JOSÉ C. FARINA
Arno Rolândia É verdade, esse pessoal todo tinha fama de ser bom de briga, lembro ainda o falecido goleiro do NAC Mão de Pilão. Cara trabalhador era o Mão de Pilão, era goleiro do Nacional e no tempo vago trabalhava no Posto Guarani como lavador de carros. Bom de briga era também um agente policial chamado "Zé Baiano", naquele tempo existiam circos de luta livre e o campeão regional era o "Tarzan Paraquedista" de Londrina. Fizeram uma luta aqui em Rolândia e o Zé Baiano botou o Tarzan Paraquedista para correr pela BR-369. Mas no que se refere especificamente a ter força (levantar peso, braço de ferro, etc.) acho que o Uli Bartz e o falecido Bernardo eram os dois mais fortes de Rolândia.
Marie Bartz Essa foto foi tirada na lendária Rhenânia ainda, em nosso último almoço em família lá em julho de 2008. De fato as história que Farina descreve são verídicas e penso que há muitas outras mais ainda... Valeria escrever alguns pequenos contos com elas!!!
Me lembro em Faxinal em uma extinta lanchonete chamada "pastelão" uma tarde o Uli se sentou e tomou 24 garrafas de cerveja uma atrás da outra,o magaiver que era o garçom deixava uma caixa vazia do lado da mesa para ir colocando os cascos vazios,terminado às 24 ele levantou para ir ao banheiro e nem parecia que tinha bebido,na volta ainda pediu mais uma de saideira hehehe

BARBEIROS / CABELEIREIROS DO NORTE DO PARANÁ - ANOS 50 / 70

OS CABELEIREIROS DE ANTIGAMENTE TINHAM O NOME DE BARBEIROS. NÃO IMPORTA SE VC IA PARA FAZER A BARBA OU  CORTAR O CABELO  DIZIA-SE QUE  IA AO BARBEIRO. OS MAIS ANTIGOS DE ROLÂNDIA ERAM O SEU JULIO AMARAL, EDI GOMES E O SEU ZÉZINHO (este último trabalha até hoje). Vejam vídeo no Youtube.  JOSÉ CARLOS FARINA
Cadeira de barbeiro que pertenceu à barbearia que ficava ao lado do Bar do Bertinho  - foto de minha autoria em 22/06/2013

quinta-feira, 20 de junho de 2013

SERVIÇO DE ABANAR E LAVAGEM DE CAFÉ no NORTE DO PARANÁ

ESTE SERVIÇO CONSISTE EM COAR O CAFÉ EM COCO PARA QUE A TERRA DESÇA.. DEPOIS PRECISAR ARREMESSAR TODO O CAFÉ PARA O ALTO "A FAVOR" DO VENTO PARA QUE AS FOLHAS, GRAVETOS, TORRÕES, PEDRAS E TERRA CAIAM PARA FORA DA PENEIRA... DEPOIS O CAFÉ VAI PARA O TERREIRÃO SECAR.. APÓS ESTAR SECO É LAVADO. O PROCESSO DE LAVAGEM DO CAFE CONSISTE EM JOGÁ-LO DENTRO DE UM TANQUE.  O CAFÉ EM COCO FLUTUA E A TERRA, TORRÕES E TERRA VÃO PARA O FUNDO. DEPOIS É SECO NOVAMENTE NO TERREIRÃO. JOSÉ CARLOS FARINA

FOTO ANTIGA AV. PRESIDENTE VARGAS DE ROLÂNDIA ANOS 40

anos 40

ANTIGA PRAÇA CASTELO BRANCO DE ROLÂNDIA ( ANOS 50 )

Posso estar enganado mas a antiga praça Castelo Branco, que tinha o nome de Bento Munhoz da Rocha, era mais bonita que a atual. Vejam  que lindo o coreto e as "ruas" entre as árvores. Vejam a elegancia do povo em seus passeios aos domingos neste recanto, hoje quase esquecido. Dava-se mais valor as árvores antigamente. Hoje querem derrubar tudo e vender como lenha. Peço piedade às nossas árvores. JOSÉ CARLOS FARINA











CHARRETES CHARRETE DE ALUGUEL EM ROLÂNDIA aranha ( ANOS 50 a 70 )

Nos anos 40 a 70 havia um ponto de charretes de aluguel, do tipo táxi, em frente a rodoviária. As charretes tinham capota, rodas de pneu e ofereciam um certo conforto aos clientes. O nome correto delas era "charrete aranha". Para o bem da história anoto que muitos as apelidaram de "Balaio de puta" pelo fato de que a maioria das prostitutas da Zona do Km. 5 utilizam deste serviço. Mulher honesta, de família, não podia utilizar deste serviço, a não ser em caso extremo. Vemos estas charretes no canto esquerdo, inferior da foto dos anos 50. JOSÉ CARLOS FARINA
COMENTÁRIO RECEBIDO:  tinha a zona da "Pepita" onde depois foi o Posto do Erdei (inicial) e a Boite Estrela, da Aída, depois do Zazá. Boite Paloma Branca. Velhas historias de Rolândia. 

quinta-feira, 13 de junho de 2013

GMC Ano:1950 - transportou mt café no norte do paraná


GMC Ano:1950

VEREADORES DE ROLÂNDIA DO PASSADO



1ª CÂMARA MUNICIPAL






1ª CÂMARA MUNICIPAL:


Amadeu Puccini

Antonio Garcia Neto 


Aristóteles Belo da Rocha 


Domingos de Oliveira Neves 


Francisco Rodrigues Lima 


Francisdco Vieira Albernaz 


Jonas Elias Borges 


Kazume Azuma (João Alfredo Hening) 


Dr. Vicente Andrade 


Dr. Vitório Constantino 


Sebastião Messias. 




2ª CÂMARA


Amadeu Puccini

Alberto Matheus

Antonio Conte 


Atonio Gois Filho 


Alfredo Moreira Filho 


Genichi Ischi 


Jorge Natali Ceconi 


JOão Batista 


Dr. Noel Nascimento 


Pedro José de Freitas 


Primo Lepre 


Wilson Carvalho de Oliveira. 



3ª CÂMARA - 1955/1959


Dr. Anatolo Duarte

Alberto Matheus 


Antonio Aquino Pinheiro 


Antonio Gois Filho 


Francisco Garcia Neto 


Julio Conte 


Joâo Rafaele 


Murilo Bastos Pacheco 


Pedro Serpeloni 


Vitorio Serpeloni 


Wilson Carvalho Oliveira 



4ª CÂMARA - 1959/1963


DR. ALVARO CABRAL

ANTONIO AQUINO PINHEIRO


ALBERTO MATHEUS 


ANTONIO D´ANDREIA 


ABDO SACCA 


BENEDITO FERREIRA 


DIVANIR HEMBECKER 


JOSÉ MARIA GALVÃO 


PEDRO SERPELONI 


PRIMO LEPRE 


ROBERIO RODRIGUES 


VITORIO SERPELONI 



5ª CÂMARA - 1963/1969



ANTONIO CECILIO GONÇALVES


ANDRE COLUSSI


DR. ALVARO CABRAL 


ANTONIO DE AQUINO 


DR. CICERO SIMONINI 


DESIDERIO CAMPIOLO 


JOSÉ BENEDITO MATHEUS 


LUIZ PINGUELI 


MASSAIA KONNO 


OTAVIO ZAGO 


ROBERIO RODRIGUES 


PROFESSOR SILAS NEVES 



6ª CÂMARA - 1969/1971



DR. ANTONIO PINCELI


ANTONIO CECILIO GONÇALVES


DESIDERIO CAMPIOLO 


LUIZ PINGUELI 


MASSAIA KONNO 


PROFESSOR NEWTON CARVALHO 


ORLANDINO DE ALMEIDA 


OTÁVIO ZAGO 


ODORICO VIEIRA DE CAMARGO 


PEDRO SCOMPARIM 


ROBERIO RODRIGUES 


PROF. SILAS NEVES 


DR. XENOFONTE VILLANUEVA 



7ª CÂMARA - 1971/1973


DR. ANTONIO PINCELI


ANTONIO CECILIO GONÇALVES


CARLOS MEISEN 


DESIDERIO CAMPIOLO 


JOSÉ ANTONIO DE ALMEIDA 


LUIZ PINGUELI 


MASSAIA KONNO 


PROF. NEWTON CARVALHO 


ODORICO VIEIRA DE CAMARGO 


OTAVIO ZAGO 


ROBERIO RODRIGUES 


SHOJI MIYAMURA 


PROF. SILAS NEVES 



8ª CÂMARA - 1973/1977



ANTONIO DE AQUINO


CARLOS MEISEN


EURIDES MOURA 


JOSE BENEDITO MATHEUS 


OROZIMBO GONÇALVES 


OTAVIO SERPELONI 


ROBERIO RODRIGUES 


SERGIO TUPAN 


PROF. SILAS NEVES 


SHOJI MIYAMURA 


SALVADOR DE SOUZA LIMA 


VITÓRIO SERPELONI 


YUKIMASSA NAKANO 




9ª CÂMARA - 1977/1982



ANGELO MARONEZI


ARTHUR ALTINO


ANTONIO LIGMANOWISKI 


EUCLIDES FRANSSON 


IRINEU LOVATO 


JOSÉ PERAZOLO 


NELSON BARBOSA 


ORLANDO MELIN 


ODIR GIORDANI 


PAULO SATO 


ROBERIO RODRIGUES 


SALVADOR DO SOUZA LIMA 


YUKIO TERAHATA 




10ª CÂMARA - 1983/1988


ANTONIO MULLER


ELPIDIO MOLOGNI


EUCLIDES FRANSSON 


JAIR LOCATELLI 


JOSÉ BENEDITO MATHEUS 


DR. JOSÉ CARLOS FARINA 


LUIZ CARLOS THOMAZETTI 


DR.LEONARDO CASADO 


NIKOLAUS SCHAUFF 


NELSON ARMACOLLO 


ODAIR CASADO 


OSVANIR DE SALLES 


PRIMO LEPRI 




11ª CÂMARA - 1989/1992


CESAR DE SILVIO


FRANCISCO DE PAULA

DR.HORÁCIO NEGRÃO 


ISMAEL F. MARTINS 


DR. JOSÉ CARLOS FARINA 


JOSÉ MARIA GALVÃO 


JOSÉ OSMAR ZINHO 


DR. OSNI GIORDANI 


OSVANIR DE SALLES 



12ª CÂMARA - 1993/1996


ALVARO BAÇO


DR. ARNO GIESEN


DR. BRUNO GIORDANI 


ENEIAS GALVÃO 


HIRO HIGA 


ISMAEL F. MARTINS 


JOSÉ M. GALVÃO 


DR. LUIZ LIBERATTI 


MIGUEL KOLAROVICK 


NARCISO BOUÇAS 


PAULO PIRES 


VAMBERTO G. FIGUEREDO 




13ª CÂMARA - 1997/2000


DR. ARNO GIESEN


CESAR DE SILVIO


ENEIAS GALVÃO 


ISMAEL F. MARTINS 


JOSÉ OSMAR ZINHO 


JOSÉ MARIA GALVÃO 


JOÃO VRENA 


JESUS MAURICIO I. DE SOUZA 


MARIA LUIZA MULLER 


MIGUEL KOLAROVICK 


OSVANIR DE SALLES 


VALDOMIRO ANESI 


VAMBERTO G. FIGUEREDO 



14ª CÂMARA - 2001/2004


DR. ARNO GIESEN


ENEIAS GALVÃO


EUGENIO SERPELONI 


ISAMEL F. MARTINS 


JOSÉ DANILSON DE OLIVEIRA 


JOSÉ GIULIANGELI DE CASTRO 


MILTON ALVES 


NARCISO BOUÇAS 


PAULO SANTIS 


PAULO AUGUSTO FARINA 


RUBENS MASSUCI 


VALDOMIRO ANESI 


WALDICEU VERRI 




15ª CÂMARA - 2004/2008



ANTONIO CARLOS BERBEL (CACO)


JOSE DANILSON

JOSÉ DE PAULA 


MILTON ALVES 


MARIA LUIZA MULLER 


MOACIR CANONICO 


RUBENS MASSUCI 


TONINHO ARAUJO (PAULO SANTIS) 


VALDEMAR DE MORAIS 


WALDICEU VERRI


16ª CÂMARA.























17ª CAMARA







PRIMEIRAS RUAS ASFALTADAS DE ROLÂNDIA

Asfalto antigo
Na administração Primo Lepri a asfalto chegou em frente a minha casa onde a minha mãe mora até hoje (em frente ao Nac - Av. Pres. Bernardes)... Lembro-me que o asfalto era planejado para durar décadas e suportar qualquer peso... A primeira camada era de pedra basalto (tamanho grande).. Depois ia diminuindo.... eram várias camadas....entre uma camada e outra espargiam piche quente... A molecada se divertia em ver a novidade... O Sr. José Murilo da Urbasa era o chefe da obra.... JOSÉ CARLOS FARINA

VENDAS EMPÓRIOS SECOS E MOLHADOS ANTIGOS NORTE DO PARANÁ

SECOS e  MOLHADOS

Da época da fundação de Rolândia até o final dos  anos 70 não havia supermercados, mas apenas vendas ou empórios. As vendas ou empórios (secos e molhados) eram pequenos  supermercados que vendiam arroz, feijão, batata,  tomates, cebola, alho, sardinha salgada, etc. por quilo. Tinha armários  cheios destes alimentos. O dono da venda pegava uma espécie de concha de lata e enchia sacos de papel de acordo com a quantidade. O óleo era as vezes vendido por litro ( o cliente trazia o litro de casa).  A pessoa levava um litro que era enchido na hora. Tinha também o óleo envazado em latas quadradas de um litro. Mercadorias do tipo iogurte, sorvete, patê, presunto, mussarela, frutas frescas era difícil de encontrar. Por ex. maçã, vc se encontrava em quitandas especializadas, pois as mesmas eram importadas da argentina e custavam uma fortuna. A maioria das famílias só compravam maçã pra dar pra pessoa doente. Verduras e legumes eram comprados nas feiras livres, mas a maioria das famílias cultivavam  hortas caseiras. Minha mãe sempre teve a sua (até hoje né dona Sebastiana?) Sempre tivemos fartura de verduras. Muitas vezes eu e meus irmãos saíamos vendendo  na vizinhança levando-as em cestos. Com o  dinheiro das vendas comprávamos sorvetes ou outras guloseimas.  Estas vendas ou empórios vendiam também sardinha ou manjubinhas salgadas, bombinhas de são João, paçoquinha, bolinhas de vidro, querosene em latas de 5 litros. Bolachas ou biscoitos só tinha de um tipo (biscoito Maria).  Macarrão era difícil encontrar mais que uma marca. Algumas vendas ficaram famosas porque vendiam também picolés de grozelha. A molecada fazia a festa. A maioria dos clientes levavam cadernetas e marcavam as compras "fiado", ou seja para pagar no final do mês. As vendas que eu me lembro era a do Português, o verdão que depois virou mini-mercado, a Primavera. Minha mãe mandava eu comprar numa venda que ficava na esquina da prefeitura, onde hoje é o escritório do meu irmão Paulo.  Coca-cola e guaraná a maioria das famílias só consumiam em dias especiais como Natal, Ano Novo e Páscoa. Em ocasiões de festas o refrigerante servido era sempre o guaraná da Antártica. Algumas vezes tomávamos também Crush e Grapete.  Havia muita fartura de produtos colhidos aqui na região, ex. laranja, verdura, legumes, arroz, feijão.  Hoje, graças a Deus quase todas as  famílias podem consumir toda semana coca-cola, guaraná, sorvetes, frutas diversas, queijos, carne, etc. O único problema sério hoje (e põe sério) é o aumento dos assaltos e assassinatos. JOSÉ CARLOS FARINA